(21) 2569-6969 | (21) 2269-6969 | (21) 2169-6969 (Seg. a sex.: de 8h às 18h e Sábados de 8h às 12h) insetisan@insetisan.com.br

 

imagem-capa-infografico-lacraia
Lacraias

 

Filo: Arthropoda

Classe: Chilopoda

Ordem: Scolopendromorpha

Família: Scolopendridae

Gênero: Scolopendra

Características:

  • As lacraias ou centopéias apresentam um par de patas por segmento do corpo – e exibem um corpo achatado, filiforme ou redondo, dividido em cabeça e numerosos segmentos (de 15 a mais de 170);

  • Na cabeça das lacraias há um par de antenas articuladas, dois pares de maxilas, um par de forcípulas (garra de veneno, localizada mo primeiro segmento do corpo) – onde estão as glândulas de peçonha – o aguilhão – aparelho inoculador de veneno – e um conjunto de olhos simples ou ocelos laterais, que ajudam a diferenciar os gêneros pertencentes à família Scolopendridea (Scolopendra e Ostostigmus) e à família Criptopidae, em que estão ausentes;

  • No último segmento do corpo estão localizados o aparelho genital masculino ou feminino e um par de apêndices anais. As centopéias geralmente têm coloração marrom, mas podem apresentar uma ampla variedade de cores, incluindo tonalidades claras de vermelho, preto, amarelo e verde ou até mesmo faixas azuis transversais em seu dorso. São animais terrestres, de hábitos noturnos, passando a maior parte do dia escondida sob entulhos úmidos, folhas e cascas de árvores, sendo ocasionalmente encontradas dentro das casas. Alimentam-se basicamente de larvas de besouros, minhocas, vermes, entre outros, que são capturados vivos, imobilizados e inoculados por peçonha;

  • No Brasil, existem cerca de dez espécies cuja picada é temida, sendo as principais a Scolopendra viridicornis, S. subspinipes, Otostigmus scabricauda, Cryptops iheringi e Octocryptops ferrugineus. A S. viridicornis é a mais comum no Brasil;

 

 

Principais espécies de Lacraias:

 

lacraia1

Scolopendra viridicornis (mais comum no Brasil).

 

 

lacraia2

S. subspinipes

 

 

lacraia3

Otostigmus scabricauda

 

  • O veneno das centopéias foi pouco estudado, mas é sabido que, pelo menos em algumas espécies, contém proteínas, lipídios, lipoproteínas, histamina, hialuronidase, polipeptídeos e proteinases. Foi sugerido que o princípio tóxico do veneno é uma neurotoxina com pouca ação local, mas com sério efeito sistêmico no organismo, principalmente sobre o sistema nervoso;
  • Geralmente a sintomatologia decorrente da picada de centopéia é apenas local, com dor instantânea, intensa, tipo queimação, que cede em aproximadamente 24 horas, acompanhada de hiperemia e discreto edema local. Menos freqüentemente ocorre dor irradiada, edema mais importante, necrose local, linfadenite, linfangite e sintomas sistêmicos como febre, tremores, calafrios, sudorese, dispnéia, cefaléia, vômito e ansiedade.

 

Alimentação e digestão

Os animais quilópodes são carnívoros e se alimentam, principalmente, de insetos (principalmente besouros), pequenos vermes da terra e larvas. Já a digestão é realizada por um tubo digestório completo que tem início na boca e termina no ânus.

 

Respiração

O processo de respiração dos quilópodes é realizado por um sistema formado por traquéias.

 

Reprodução

A reprodução dos quilópodes é sexuada. Logo os sexos são separados nestes animais. A fêmea coloca ovos em grupos de 15 a 35. Ovipositam em madeiras em decomposição ou no solo.

 

Habitat

Estes animais vivem, principalmente, em locais escuros e úmidos. São encontrados em locais com acúmulo de lixo e entulho, tocos de árvores em processo de apodrecimento e parte seca das redes de esgoto.

Curiosidades:

  • Algumas espécies de centopéias possuem até 191 pares de pernas;

  • A maior espécie de quilópode é a Scolopendra gigantea, também conhecida como centopéia gigante da Amazônia. Ela possui 30 cm de comprimento;

  • O veneno dos quilópodes não é mortal para a maioria dos seres humanos. Porém, se uma pessoa for alérgica ao veneno, pode ter um choque anafilático e morrer após receber uma picada destes animais. Pessoas que não são alérgica vão sofrer forte dor local, após serem picadas.