(21) 2569-6969 | (21) 2269-6969 | (21) 2169-6969 (Seg. a sex.: de 8h às 18h e Sábados de 8h às 12h) insetisan@insetisan.com.br

 

imagem-capa-infografico-pulga-carrapato
Pulgas e Carrapatos

 

Pulgas

As pulgas são ectoparasitos de aves e mamíferos, principalmente destes últimos. Medem geralmente menos de 5 milímetros de comprimento e suas partes bucais são adaptadas para cortar a pele e sugar o sangue do hospedeiro. Não têm asas.

Não causam somente desconforto ao homem e seus animais domésticos, mas também problemas de saúde, tais como, dermatites alérgicas, transmitem viroses, vermes e doenças causadas por bactérias (peste bubônica, tularemia e salmonelose).

Apesar das picadas serem raramente sentidas, a irritação causada pelas secreções salivares pode se agravar em alguns indivíduos. Algumas pessoas sofrem uma reação severa resultante de infecções secundárias ocasionadas pelo ato de coçar a área irritada. Picadas no tornozelo e pernas podem, em algumas pessoas, causar dor que pode durar alguns minutos, horas ou dias, dependendo da sensibilidade do indivíduo. Em algumas pessoas não ocorre qualquer reação. A reação típica da picada é a formação de uma pequena mancha dura, avermelhada com um ponto em seu centro.

As espécies mais importantes para a saúde pública são: Pulex irritans, que ataca mais o homem, podendo, no entanto, alimentar-se sobre outros hospedeiros; Xenopsylla cheopis, denominada pulga do rato; Ctenocephalides felis, conhecida por pulga do gato e Ctenocephalides canis, a pulga do cão. As pulgas mais comuns tanto em cães como em gatos são C. felis.

 

pulga1

Ctenocephalis canis

 

 

pulga2

Ctenocephalis felis

 

 

pulga3

Xenopsylla cheopis

 

 

pulga4

Pulex irritans

 

 

Biologia e Comportamento

O ciclo de vida da pulga se divide em 4 estágios (ovo, larva, pupa, adulto). Este ciclo se completa por volta de 3 a 4 semanas. Dependendo das condições de temperatura e umidade, o ciclo pode ser concluído em apenas 12 a 14 dias ou se estender por 6 meses ou mais.

 

 

pulgaciclo

Ciclo de vida das pulgas

 

 

Somente o adulto é hematófago, isto é, alimenta-se de sangue que pode ser de aves ou mamíferos. Algumas espécies de pulgas dão preferência a uma única espécie de hospedeiro, porém a maioria pode sugar várias espécies de animais. Por este motivo, as pulgas transmitem doenças ao homem e a outros animais.

Os ovos das pulgas são depositados sobre a pelagem do hospedeiro, porém não aderem nem à pele nem aos pêlos, de forma que logo caem no ambiente. Portanto, podem ser encontrados em qualquer lugar por onde passe o animal infestado por pulgas. Os ovos geralmente eclodem de 1 a 6 dias, dependendo da temperatura e umidade. Durante a vida, a pulga fêmea pode depositar mais de 2000 ovos.

As larvas das pulgas não possuem pernas, são cegas e evitam a luz, por isso se afundam nos pêlos de tapetes ou abaixo de locais onde os animais ficam. Seu alimento consiste de fezes das pulgas adultas, pele, pêlo, penas e detritos. Elas não sugam sangue. O estágio de larvas dura de 5 a 11 dias.

As pupas possuem um casulo de seda fabricado pela larva de último estágio onde ficam aderidos pêlos de animais, poeira e outras sujeiras. Em aproximadamente 5 a 14 dias as pulgas adultas emergem ou permanecem em repouso dentro do casulo até a detecção de alguma vibração, que pode ser ocasionada pelo movimento de um animal ou homem e quando um animal deita-se sobre ela. A saída dos casulos pode ser ocasionada também pelo calor, barulho ou pela presença de dióxido de carbono que significa que uma fonte potencial de alimento está presente. A pulga totalmente desenvolvida pode ficar no casulo até 180 dias, esperando condições propícias para sair.

Assim que sai do casulo, a pulga adulta procura um hospedeiro para se alimentar de sangue. As pulgas adultas se movem e se orientam em direção à luz, portanto ficam na parte superior dos pelos, dos tapetes, da cama dos animais ou de outras superfícies até serem atraídas por estímulos produzidos por hospedeiros em potencial como calor do corpo, movimento e dióxido de carbono expelido. As fêmeas adultas não conseguem depositar ovos sem uma refeição, mas os adultos, tanto machos quanto fêmeas, podem sobreviver vários dias sem se alimentar.

Às vezes, famílias que viajam por um período razoável de tempo, quando voltam, encontram a residência infestada por pulgas. Isto ocorre porque a casa fica fechada sem hospedeiros (cães e gatos). Assim que a família retorna, ela é atacada pelas pulgas que nasceram no período. As pulgas adultas passam a vida sobre o hospedeiro.

As pulgas adultas possuem facilidade de se movimentar entre os pêlos ou penas do hospedeiro. São excelentes saltadoras, podendo saltar verticalmente uma altura de aproximadamente 18 cm e horizontalmente 33 cm.

 

 

Importante

Coloque sempre uma toalha limpa onde seu animal dorme e lave-a uma vez por semana. Esta é a melhor forma de prevenir uma infestação de pulgas pois, os ovos que são depositados sobre o hospedeiro caem no ambiente. Dessa forma os ovos são periodicamente descartados.

Se o piso da casa for de tacos ou tábuas, todos os vãos existentes devem ser calafetados, uma vez que podem servir de abrigo para pulgas no ambiente. Deve-se manter a higiene periódica dos animais domésticos e manutenção de convívio adequado na moradia humana.

Lave periodicamente os tapetes e capachos para evitar novas infestações. As casas devem ser limpas pelo menos uma vez por semana, com o auxílio de um aspirador de pó. Desta maneira evita-se o acúmulo de poeiras nos tapetes, tacos e outros ambientes.

Descarte o filtro do aspirador após a limpeza, pois as larvas das pulgas podem eclodir dos ovos coletados pelo aspirador ou pulgas adultas podem emergir de suas pupas e re-infestar o ambiente.

Pode a grama e faça a limpeza periódica de quintais e jardins para evitar ambientes úmidos e adequados para o desenvolvimento das larvas. Evite armazenar areia ao redor da residência por períodos longos.

Faça o controle de roedores no terreno da residência, pois estes são hospedeiros de pulgas que transmitem doenças.

O controle de pulgas é mais eficiente quando são tomadas medidas simultâneas que envolvem limpeza periódica, tratamento do animal de estimação e controle químico no domicílio e peridomicílio (quintais, canis, abrigos de animais, etc.).

 

____________________________________________________________________________

Carrapatos

 

Classe: Arachnida

Subclasse: Acarina

Ordem: Ixodida

Famílias: Ixodidae e Argasidae

 

Introdução:

  • Não são insetos e sim acaris;

  • Existem cerca de 850 espécies no mundo;

  • São ectoparasitos de répteis, aves, afetando principalmente animais domésticos como cães, gatos, cavalos e outros;

  • São hematófagos obrigatórios (ambos os sexos). Alimentam-se somente nos hospedeiros; Ingerem sangue, linfa, restos de derme, ou secreções sebáceas ao perfurar a pele;

  • Devido a hematofagia são transmissores de agentes patogênicos (vírus, bactérias e protozoários).

Morfologia Externa dos Carrapatos:

  • São os maiores representantes da ordem Acarina ou Acari;

  • Corpo oval ou elíptico, achatado dorsoventralmente, revestido por tegumento coriáceo e distensível (aumento de tamanho);

  • Adultos e ninfas – 4 pares de pernas; – Larvas – 3 pares de pernas.

Fases do Desenvolvimento:

  • Fase de ovo;

  • Fase de larva (hexápoda) – nesta fase, os imaturos que neste caso são chamados de larvas, apresentam apenas três pares de pernas;

  • Fase de ninfa – nesta fase, os imaturos que neste caso são chamados de ninfas, apresentam quatro pares de pernas;

  • Fase de adulta – nesta fase, machos e fêmeas apresentam quatro pares de pernas.

Fases do Ciclo de Vida:

Parasitária – Ocorre no hospedeiro. Caracterizada pelo momento no qual o carrapato está diretamente associado ao hospedeiro;

Vida livre – Ocorre no ambiente. Caracterizada pelo momento no qual o carrapato encontra-se fora do organismo hospedeiro, buscando um novo.

Ciclo de Vida:

São observados três tipos:

1º – Ciclo monoxeno – neste caso, é necessário um único hospedeiro.

carrap1

 

O carrapato só tem vida livre quando:

  • Fêmea grávida e ovipositando;

  • Larva a procura de hospedeiro.

2º – Ciclo heteroxeno com dois hospedeiros – são necessários dois hospedeiros para completar o ciclo biológico.

carrap2

 

O carrapato só tem vida livre quando:

  • Fêmea grávida e ovipositando;

  • Larva a procura do hospedeiro – Adulto a procura de hospedeiro.

3º – Ciclo heteroxeno com três hospedeiros – são necessários três hospedeiros para completar o ciclo biológico.

carrap3

 

O carrapato só tem vida livre quando:

  • Larva a procura do hospedeiro;

  • Ninfa a procura de hospedeiro;

  • Adulto a procura um novo hospedeiro.

Fatores de Resistência:

  • Pode ocorrer dispersão eólica;

  • Podem se enterrar até 10 cm dentro da terra;

  • Podem se dispersar pela água;

  • Beneficia-se de pastagens altas para se abrigar;

  • Podem permanecer bom tempo sem respirar;

  • Podem também ficar muito tempo sem se alimentar e bom tempo sem ingerir água;

  • Adaptam-se aos hospedeiros.

Curiosidades:

  • As diferentes fases do ciclo de vida podem sobreviver por várias semanas sem se alimentar;

  • Postura da fêmea pode durar 29 dias;

  • Fêmeas podem escalar até 4 m para fazer sua postura;

  • Postura: 4000 a 5000 ovos.

Família Ixodidae (carrapatos duros):

carrap4

Apresentam escudo dorsal rígido que cobre toda a face dorsal do macho adulto;

Machos geralmente menores que as fêmeas;

Dimorfismo sexual (morfologia do escudo).

CICLO EVOLUTIVO DOS CARRAPATOS DA FAMÍLIA IXODIDAE:

Descrição do ciclo evolutivo

  • O acasalamento ocorre no hospedeiro;

  • A fêmea grávida se alimenta de sangue até o ingurgitamento total, que propicia sua queda ao solo, enquanto que o macho permanece no hospedeiro à procura de novas fêmeas;

  • A partir da queda desta fêmea, inicia-se a fase de vida livre;

  • Nesta fase, a fêmea ingurgitada inicia a atividade de oviposição, após a postura as fêmeas morrem;

  • Após alguns dias, as larvas eclodem e ao encontrar um hospedeiro, se desenvolvem, passando por uma fase ninfal e conseqüente fase adulta.

 

carrap5

 

 

IMPORTÂNCIA DOS CARRAPATOS DA FAMÍLIA IXODIDAE:

  • Proporcionar grande perda de sangue do hospedeiro podendo causar grave anemia;

  • Causar lesões e danos na pele do hospedeiro;

  • Reduzir a taxa de desenvolvimento ponderal (peso em função da altura) do hospedeiro;

  • Proporcionar reações alérgicas e, em alguns casos, levar o hospedeiro à paralisia devido à inoculação de toxinas e neurotoxinas presentes na saliva;

  • Transmitir diversos patógenos (vírus, bactérias, protozoários, helmintos, etc.).

 

Principais Espécies:

Rhipicephalus sanguineus (carrapato vermelho do cão)

É um ectoparasito amplamente difundido em todo o mundo, sendo a espécie de carrapato de maior distribuição mundial (DANTAS-TORRES, 2008c; WALKER; KEIRANS; HORAK, 2000). Sua ampla distribuição geográfica tem sido facilitada pelo transporte do seu principal hospedeiro, o cão doméstico. Porém, embora esteja primariamente associado ao cão, esse carrapato pode ser encontrado sobre uma grande diversidade de animais silvestres e domésticos (SZABÓ et al., 2008; WALKER; KEIRANS; HORAK, 2000), incluindo o homem (DANTAS-TORRES; FIGUEREDO; BRANDÃO-FILHO, 2006; ESTRADA-PEÑA; JONGEJAN, 1999; LOULY et al., 2006). O carrapato vermelho do cão está entre os principais vetores de patógenos que acometem os cães (DANTAS-TORRES, 2008a, 2008c; WALKER; KEIRANS; HORAK, 2000).

Biologia e Ecologia:

Rhipicephalus sanguineus é um carrapato de três hospedeiros. Isso significa dizer que cada estágio ativo de desenvolvimento (larva, ninfa e adulto) se alimenta apenas uma vez e a muda (ou ecdise) ocorre no ambiente (DANTASTORRES, 2008c).

Fêmeas adultas se alimentam por cinco a 21 dias (KOSHY; RAJAVELU; LALITHA, 1983; PEGRAM et al., 1987; PETROVA-PIONTKOVSKAYA, 1947; SRIVASTAVA; VARMA, 1964). Uma vez ingurgitadas, elas se desprendem do hospedeiro para realizar a digestão sanguínea, maturação e postura dos ovos. A postura é precedida por um período de pré-postura que varia de três a 14 dias (JITTAPALAPONG et al., 2000; KOCH, 1982a; PEGRAM et al., 1987; SWEATMAN, 1967). A duração media da postura é de 16 a 18 dias (KOCH, 1982a; PETROVAPIONTKOVSKAYA, 1947). Fêmeas de Rh. sanguineus põem em media 4.000 ovos, mas podem pôr tanto quanto 7.273 ovos (KOCH, 1982a). A temperatura ótima para postura de Rh. sanguineus se situa entre 20 e 30°C (SWEATMAN, 1967). Após a postura dos ovos, a fêmea sucumbe. Ovos são depositados em locais estratégicos, como frestas e buracos, normalmente acima do nível do solo. O período de incubação dos ovos varia entre seis e 23 dias (JITTAPALAPONG et al., 2000; KOCH, 1982a; PEGRAM et al., 1987; PETROVAPIONTKOVSKAYA, 1947). Após incubação, pequenas larvas eclodem e, após o enrijecimento da cutícula, passam imediatamente a procurar um hospedeiro para realização do repasto sanguíneo. Larvas recém-eclodidas são pequenas (comprimento, 0,54 mm; largura, 0,39 mm) e possuem apenas três pares de pernas.

Larvas se alimentam por três a 10 dias, antes de se desprenderem do hospedeiro e mudarem para ninfas (KOSHY; RAJAVELU; LALITHA, 1983; PEGRAM et al., 1987; PETROVA-PIONTKOVSKAYA, 1947). O período de muda de larva para ninfa varia de cinco a 15 dias (PEGRAM et al., 1987; PETROVA-PIONTKOVSKAYA, 1947). Diferentemente das larvas, as ninfas possuem quatro pares de pernas e se assemelham aos adultos exceto por serem menores (comprimento, de 1,14 a 1,3 mm; largura, de 0,57 a 0,66 mm) e sexualmente imaturas, isto é, não apresentam abertura genital. As ninfas se alimentam por três a 11 dias e então se desprendem do hospedeiro (KOSHY; RAJAVELU; LALITHA, 1983; PEGRAM et al., 1987; PETROVA-PIONTKOVSKAYA, 1947). O período de muda de ninfa para adulto varia de nove a 47 dias (PEGRAM et al., 1987; PETROVA-PIONTKOVSKAYA, 1947). Machos adultos são alongados (comprimento, 2,28–3,18 mm; largura 1,11–1,68 mm), marrom-avermelhados, com pequenas pontuações espalhadas ao longo escudo dorsal. Antes do ingurgitamento, fêmeas adultas se assemelham aos machos em tamanho (comprimento 2,4–2,7 mm; largura 1,44–1,68 mm), forma e cor. Após o repasto sanguíneo, as fêmeas podem aumentar para 11,5 mm por 7,5 mm e a porção mais larga do corpo se torna verde oliva (COOLEY, 1946; DANTASTORRES, 2008c). Em condições favoráveis de temperatura e umidade, o ciclo biológico do Rh. sanguineus se completa em aproximadamente 63–91 dias (BECHARA et al., 1995; GODDARD, 1987; LOULY et al., 2007).

É notória a capacidade de sobrevivência do Rh. sanguineus. Larvas de Rh. sanguineus não alimentadas podem sobreviver por até oito meses sem se alimentar, ao passo que ninfas e adultos podem sobreviver por seis e 19 meses, respectivamente (GODDARD, 1987). Sob condições de laboratório, os parâmetros biológicos (por exemplo, postura dos ovos e períodos de muda) do Rh. sanguineus variam de acordo com a temperatura, umidade relativa e tipo de hospedeiro (cão, hamster, coelho, etc.) (BELLATO; DAEMON, 1997). A sobrevivência máxima de ninfas ocorre sob 20°C e 85% de umidade relativa. Carrapatos adultos não alimentados são mais resistentes que ninfas não alimentadas a condições dissecantes, isto é, 35°C e 35% de umidade relativa (KOCH; TUCK, 1986). Foi recentemente demonstrado que Rh. sanguineus é menos dependente de ambientes ricos em umidade (YODER et al., 2006), o que facilita seu estabelecimento em regiões áridas.

Sob condições naturais, os períodos de ingurgitamento e muda podem variar entre populações e são diretamente influenciados por fatores como temperatura e disponibilidade de hospedeiro. Aparentemente existe uma forte relação entre a temperatura e o tamanho da população de Rh. sanguineus (MUMCUOGLU et al., 1993). Um estudo recente demonstrou que a temperatura parece interferir na especificidade de hospedeiro do Rh. sanguineus, aumentando a probabilidade de esse carrapato se alimentar em seres humanos (PAROLA et al., 2008). A duração do ciclo de vida do Rh. sanguineus pode variar de país para país e de região para região. Estudos de campo demonstram que o carrapato vermelho do cão pode completar duas (ou mais) gerações por ano (CRUZ-VAZQUEZ; GARCIAVAZQUEZ, 1990; KOCH, 1982b; USPENSKY; IOFFE-USPENSKY, 2002). No Brasil, onde as condições ambientais são bastante favoráveis, Rh. sanguineus pode completar até quatro gerações por ano (DANTAS-TORRES; FIGUEREDO, 2006; LOULY et al., 2007).

Ixodídeos, particularmente carrapatos de três hospedeiros, passam 94– 97% de sua vida no ambiente (NEEDHAM; TEEL, 1991), onde estão sob a influência de muitos fatores, como a estrutura do habitat e clima (RANDOLPH, 2004). A maioria dos ixodídeos exibe um comportamento exofílico. Em contraste, Rh. sanguineus é normalmente endofílico, permanecendo a maior parte do tempo no ambiente intradomiciliar (DANTAS-TORRES, 2008c). Outra característica marcante desse carrapato é o seu forte geotropismo negativo. Em casas onde habitam cães infestados pelo Rh. sanguineus, é comum observar carrapatos caminhando sobre as paredes e móveis (DANTAS-TORRES; FIGUEREDO; BRANDÃO-FILHO, 2006; DEMMA et al., 2005; PAROLA et al., 2008).

carrap6

carrap7

 

Da esquerda para a direita: macho, fêmea e fêmea ingurgitada de Rhipicephalus sanguineus

 

 

 

Amblyomma cajennense (carrapato estrela)

É um carrapato de três hospedeiros. O A. cajennense, popularmente conhecido em diversas regiões do país por “carrapato estrela” ou “rodoleiro” na sua fase adulta, “vermelhinho” na fase de ninfas, por “micuim” na fase de larvas e por “carrapatinho” tanto na fase de larva quanto de ninfa, é encontrado com freqüência infestando os eqüídeos, hospedeiros preferenciais deste carrapato. Entretanto, devido à sua baixa especificidade parasitária por hospedeiros, principalmente dos estádios imaturos, poderá infestar outros mamíferos como bovídeos, cervídeos, canídeos domésticos e silvestres, além de aves e do próprio homem. Populações de A. cajennense podem sobreviver em áreas onde não existam eqüídeos, parasitando várias espécies de animais silvestres, principalmente áreas de pastagens “sujas” ou de cobertura vegetal mais densa, as quais estes hospedeiros silvestres freqüentam com mais assiduidade.

Esta espécie de carrapato é importante como transmissora da Rickettsia rickettsii, agente etiológico da febre maculosa, a qual é transmitida por via transovariana à sua progênie, o que o torna simultaneamente vetor e reservatório do agente da doença (Lane & Crosskey, 1993, Lemos et al., 1997a,b).

carrap8

 

 

 

 

Rhipicephalus Boophilus microplus (carrapato do boi)

O carrapato Rhipicephalus Boophilus microplus é um ixodídeo responsável por grandes perdas econômicas para a pecuária de regiões tropicais e subtropicais. Este carrapato é um ectoparasita hematófago originário da Ásia, cujo principal hospedeiro é o bovino. Sua incidência é maior em grandes rebanhos da América, África, Ásia e Austrália, sendo considerado o carrapato de maior impacto em perda econômica nos rebanhos da América do Sul (Gonzales, 1995; Nari, 1995).

carrap9

 

 

 

 

Família Argasidae (carrapatos moles):

  • Não possuem escudo;

  • Nesta família estão principalmente os carrapatos das aves;

  • Os machos e fêmeas possuem tamanhos semelhantes;

  • O dimorfismo sexual é pouco evidente.

carrap10